Logo CucoStation- branco -01.png
  • Cuco Station

O preconceito e a falta de informação ainda é o maior problema para que vive com HIV



Ao sair do laboratório logo após o resultado positivo para HIV, há seis meses, e ir para a casa de uma amiga próxima, Blenda Silva, então com 23 anos, foi aconselhada a não contar para ninguém sobre o diagnóstico, além da família e melhores amigos. “Todos pareciam muito preocupados com a rejeição que eu poderia sofrer, diziam que 'as pessoas são preconceituosas e que eu não precisava encarar isso', ou 'não quero te ver sofrendo com a maldade do mundo'.”

Blenda teve relacionamentos longos e não tem certeza de quando contraiu o HIV, mas pela carga viral que apresentava quando foi diagnosticada, os médicos estimam que isso ocorreu há dois ou três anos. Ela nunca tinha feito exames para doenças sexualmente transmissíveis.

Apesar da insegurança, Blenda disse ter se questionado sobre o porquê de não pode falar sobre o vírus. “Mas por que não posso contar para ninguém? Por que eu preciso ter vergonha de uma condição que eu não escolhi?”, se perguntou antes de decidir dar a notícia para o pai e a irmã.

Três dias após o diagnóstico, a estudante procurou uma unidade de saúde e começou o tratamento. Ela toma dois comprimidos diariamente e não sente nenhum efeito colateral. “Tenho uma vida normal, só me sinto um pouco cansada às vezes”, contou.

Blenda decidiu não tratar o vírus como tabu e enfrentar o preconceito falando abertamente sobre o assunto para conscientizar outras pessoas sobre os riscos do HIV. “Meu papel hoje, como portadora, é ajudar outras pessoas. Não consigo nem contar o número de pessoas que já me procuraram para dizer que fizeram o exame após ouvir a minha história”, relata.

A coragem de Blenda de tornar pública sua condição em alguma medida a protegeu do preconceito. “Como todos sabem, só se aproximam de mim as pessoas que não têm problema com isso ou que estão curiosas”.

A estudante disse nunca ter sido agredida nem se sentiu excluída nas interações interpessoais ao vivo. No entanto, na internet a repercussão foi um pouco diferente, o que ela percebeu após gravar um vídeo e postá-lo nas redes sociais. “Publiquei um vídeo respondendo às perguntas que sempre ouço quando conto que sou soropositiva. Eu estava cansada de ter que explicar a diferença entre HIV e aids e queria ajudar outras pessoas e mostrar ao mundo que eu não ia morrer, que eu estava bem. Vi que há muita gente desinformada e cheias de preconceito sobre o assunto e recebi muitos comentários maldosos, mas felizmente não são a maioria”, lembra.

Medo da rejeição

Estudo aponta que soropositivos com carga viral indetectável não transmitem HIV


Com os tratamentos atuais a base de antirretrovirais, cada vez mais pessoas com HIV estão conseguindo reduzir a carga viral no sangue para níveis indetectáveis por testes laboratoriais. O médico e pesquisador Esper George Kallás destacou pesquisas recentes apontando que os indivíduos nesta condição deixam de transmitir o vírus.

Professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), Esper diz que, quando a carga viral se torna indetectável, a pessoa não transmitirá o HIV nas relações sexuais, mesmo dispensando o uso de camisinha. Um dos principais estudos que apontaram nesta direção foi conduzido pela universidade inglesa College London.

"Foi feito um acompanhamento em 14 países europeus com 1.166 casais, onde havia um positivo para HIV e outro negativo. Ao longo do período estudado, eles estimaram que foram feitas 58 mil relações sexuais sem preservativo e foram constatadas zero infecções", relatou.

"Isso trouxe o conceito de tratamento como prevenção. Então, aquela ideia de tratar todos aqueles que vivem com HIV não traz apenas benefícios pessoais. Traz benefícios comunitários e epidemiológicos, na medida em que estas pessoas deixam de transmitir o vírus. Isso, a longo prazo, contribui para a redução da epidemia e também ajuda na diminuição do preconceito em relação a essas pessoas", acrescentou.

De acordo com a página oficial da Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (Unaids), já é um consenso crescente entre cientistas que pessoas com carga viral indetectável em seu sangue não transmitem o vírus através de interações sexuais. "Esse conhecimento pode ser empoderador. A consciência de que eles não estão mais transmitindo o HIV sexualmente pode proporcionar um forte senso de que passam a ser agentes de prevenção em sua abordagem para os relacionamentos novos ou já existentes", registra o órgão.


Ele defende que não deve haver receio na divulgação das informações científicas, mas alerta que as pessoas devem ter ciência de que os novos achados não significam que se possa relaxar. "Não podemos esconder as informações. Achar que a política do medo é o que vai resolver o problema do HIV está errado. Tem que falar a verdade. O tratamento está melhor. Mas, ao fazer chegar a informação para todo mundo, também é preciso alertar que, uma vez infectado, tem que se tomar remédio para o resto da vida, e ninguém quer isso".

É recomendável que a pessoa com carga viral indetectável faça exames periodicamente. E embora ela não transmita o vírus, pode contrair outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), o que deve ser levado em conta quando se vai optar por usar preservativo ou não.

Teste como rotina

A diretriz do Sistema Único de Saúde (SUS) é garantir um tratamento universal para todo brasileiro soropositivo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda aos países buscar a denominada meta 90-90-90. Isto é, garantir que 90% das pessoas que vivem com o vírus sejam diagnosticadas. Dessas, ao menos 90% precisam ter acesso ao tratamento. E 90% dos pacientes que estão tratando devem conseguir reduzir o vírus a níveis indetectáveis.

"Felizmente, aqui no Brasil já há alguns locais onde alcançamos o objetivo de deixar a carga viral indetectável em 90% das pessoas que estão se tratando. Mas, ainda temos problemas para trazer todos para o tratamento e para fazer o diagnóstico das pessoas que vivem com o vírus", diz Esper.

De acordo com o pesquisador, é importante que o SUS faça o máximo de diagnósticos possíveis, trazendo as pessoas para dentro do sistema, mas, infelizmente, os médicos ainda não têm o hábito de recomendar o teste e as pessoas também não realizam exames com frequência. "Vai fazer um teste para saber como está a glicose, como está o colesterol? Aproveita e faz o de HIV junto. É muito barato."

O médico considera que o Brasil falhou com populações vulneráveis. "Ainda não conseguimos controlar a epidemia de HIV em homens gays, em transgêneros, em profissionais do sexo, em usuários de drogas. Há prevalências nesses grupos que preocupam. É uma dívida que nós temos que pagar. E faltam políticas de combate". Outra preocupação atual é com jovens brasileiros até 19 anos, segmento da população que vem enfrentando aumento das infecções.

Fonte: Agência Brasil


Somos uma agência produtora de experiências através

de eventos, ativações e conteúdo.

Projetada para compartilhar ideias que a gente quer tirar

do papel, conectar pessoas que a gente quer nos envolver

e criar experiências que a gente quer sentir

Faça diferente, faça o novo, faça de novo

#unboxyourmind

Grupo Cuco - Lab de Marketing Experiencial

Rua Cardeal Arcoverde, 2365 - 12º andar - Pinheiros

Tel: 11 97660 1190

Fale conosco: dennisvianez@grupocuco.com

™ CUCO. Todos os direitos reservados

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
Vamos marcar um papo?